12 momentos históricos memoráveis nunca vistos

26/06/2018 - 10:23 3982 Views

Ao longo da história, a humanidade viveu e criou momentos inesquecíveis, dignos de serem lembrados para sempre através de fotos e vídeos.

Como sabemos, até a metade do século XIX, não existiam maneiras de registrar momentos importantes e por isso, era fundamental o testemunho de alguém capaz de imortalar as expressões iconográficas por meio de pinturas e quadros, ou capaz de contar oralmente ou escrevendo. A invenção da máquina fotográfica foi algo que mudou radicalmente o nosso modo de viver.

De repente, surgiu a possibilidade de ter provas concretas daquilo que vemos e vivemos, e de mostrá-las  em toda a sua objetividade, para quem não estava presente, ou até mesmo, deixá-las como registro de algo passado.

E é bem esse um dos aspectos inovadores da fotografia: todas as invenções criadas a partir da metade do século 19, desde as mais banais até as mais incríveis, todos os acontecimentos, as manifestações, os eventos estão registrados na memória histórica para sempre.

Muitas imagens, apesar das suas peculiaridades, não tornaram-se famosas: por isso, fomos resgatá-las para vocês! Aqui apresentaremos 12 fotos históricas que vão lhes deixar de boca aberta! 

1) Mulher com crinolina – Londres – 1860

A crinolina, um tipo de anáguas rígidas que servia para dar volume às saias e aos vestidos de mulheres nobres, foi criada pelo francês M. Oudinot aproximadamente em 1840. O nome deste acessório provêm do elemento que o constitui: era feita com crinas de cavalos trançadas com fios de linho ou seda. A crinolina era resistente à água, não estragava, nem perdia a forma como os tecidos e, ao mesmo tempo, era mais flexível com relação às “gaiolas” de madeira que eram vestidas anteriormente. O auge de sucesso desse acessório aconteceu na época vitoriana: tudo indica que tenha sido a imperatriz francesa Eugênia, mulher de Napoleão III, que fez com que este acessório fosse o queridinho de toda a nobreza européia. O declínio da moda da crinolina começou por volta de 1860 por obra de Charles Frederick Worth, o alfaiate oficial da corte francesa: ele lançou a tendência da demi-crinolina, ou seja, a meia crinolina, mais simples e mais elegante.

2) Concurso Miss Lovely Eyes, Flórida – 1930

Ou seja, Miss Olhos Adoráveis. As garotas participantes do concurso tinham que vestir uma máscara que cobrisse o rosto, deixando somente os olhos visíveis: isto era necessário para que o júri não se distraísse com o rosto como um todo. O resultado é esta foto um tanto perturbadora ou talvez um modo para… calar as mulheres?

3) Operação Babylift – 1975

Durante a terrível guerra de invasão do Vietnã do Norte no Vietnã do Sul, a cidade de Da Nang foi ocupada no mês de março de 1975 e Saigon estava quase se rendendo definitivamente, quando no dia 3 de abril do mesmo ano, Gerald Ford anunciou que o governo dos Estados Unidos estaria iniciando uma operação de evacuação das crianças, tidas como órfãs de Saigon em uma série de voos programados a bordo de aviões C 5A. Foi chamada de “Operação Babylift”, a avacuação de massa realizada entre 4 e 19 de abril pelos soldados americanos no Vietnã do Sul. Mais de 3.000 crianças órfãs, ao menos é o que foi declarado, foram transportadas do outro lado do oceano e adotadas por famílias americanas, canadenses e européias. Houve muitas acusações e críticas aos Estados Unidos, com o argumento de um verdadeiro e próprio rapto: as crianças realmente eram órfãs? Elas foram salvas ou apenas arrancadas das suas casas?

4) Maiôs de madeira – 1925

Nos anos vinte, uma nova moda chegou para ajudar aquelas que queriam nadar: o maiô de madeira! Este material, pelas suas características físicas, teria ajudado as nadadoras a flutuarem. As primeiras a provarem o maiô de madeira foram as mulheres da imagem. Será que alguém pensou nas farpas?

5) Concurso de beleza para tornozelos – 1930

Se você pensava que já tinha visto tudo, estava enganado. Depois de Miss Lovely Eyes, em que as participantes eram obrigadas a usar uma máscara que mostrava só os olhos, teve o concurso de beleza para tornozelos. Pois sim, as moças deviam mostrar somente os tornozelos e eram julgadas com base nos seus lineamentos. Em 1930, em uma competição para a escolha do tornozelo mais bonito, coube à um policial fazer parte do júri.

6) “Sala de TV portátil” – 1967

Este foi o primeiro protótipo de uma sala de televisão portátil, um modelo inovador, mas que imediatamente despertou a hilariedade geral. Projetado pelo arquiteto austríaco Walter Pichler, o que foi chamado de “sala de tv portátil”, era um capacete branco em forma de cápsula que cobria totalmente a cabeça do usuário, e continha dentro uma mini televisão. Eram os anos da Guerra Fria e esta invenção representava, já naquela época, uma crítica ao isolamento aos quais os meios de comunicação de massa induzem, e ao “bombardeio” que estes exercem com relação à população.

7) Inundação em Paris – 1924

O Senna é um dos principais rios da França. É longo aproximadamente 776 km, saindo de Saint-Germain-Source-Seine, atravessando principalmente a cidade de Troyes, Paris a capital da França e Rouen, para chegar finalmente no canal da Mancha, na cidade de Havre. A pouca inclinação que o rio Senna encontra no vale entre Ille de France e a Normandia, fez com que ao longo dos séculos, o rio ficasse sinuoso. Ou seja, áreas de estagnação de água e acumulação de sedimentos. Próprio por esta razão, nestes pontos existe um risco maior de inundações causadas pela alta das marés. Paris conhece muito bem esse fenômeno: as cheias do Senna acontecem com uma regularidade impressionante. Ainda hoje, é viva a lembrança das terríveis inundações de 1910 e 1924. E é justamente de 1924 a imagem aqui embaixo, sobreviventes parisienses caminham sobre uma passagem de emergência feita com cadeiras de bares das redondezas e, embaixo delas, litros de água barrenta.

8) Dynasphere – 1932

Em 1934, o inventor John Archibald patenteou este veículo a tração “natural”: que foi projetado e construído em modo que se locomovesse usando simplesmente a energia cinética. Archibald, também conhecido como J.A. se inspirou nos desenhos inovativos e futurísticos de Leonardo Da Vinci: quando Archibald decidiu que iria construir a sua Dynasphere pessoal, já existiam protótipos mais antigos, como o de Alfred E. D’Harlingue de 1917. Archibald acreditava que a Dynasphere fosse um meio de transporte econômico (desde a sua construção), fácil de usar e que poderia se transformar em uma alternativa genial diante dos veículos movidos a combustível (que naquele tempo mal chegavam a atingir 40 km/h). Ele morreu poucas semanas após a publicação da patente aparentemente sem causas específicas. Coincidência? Hoje existem muitas versões e modelos de dynasphere: a mudança de materiais e de componentes demonstram o quanto esta invenção manteve o seu encanto ao longo dos anos.

9) Armas de defesa russas – 1917

No início da primeira Guerra Mundial, foi realizado na Rússia este dispositivo acústico capaz de reconhecer e amplificar os sons emitidos pelos meios de comunicação alemãos a quilômetros de distância. Os soldados conseguiam perceber o rumor de uma pequena frota de aeronaves, um exército sobre rodas e até mesmo a pé e, consequentemente, podiam organizar os planos de defesa, antecipando os movimentos dos inimigos. É, a Rússia sempre foi conhecida pelo seu histórico de espionagem!

10) Bar a domicílio, Normandia – 1945

Os soldados em guerra estão sujeitos ao estresse contínuo: longe de casa, enfrentam o perigo todos os dias e estão cercados pela morte de companheiros de batalha. Mas desde os tempos mais antigos existe um remédio que cura qualquer mal: o álcool. Por esta razão, durante a Segunda Guerra Mundial, foi criada uma seção de aviação militar inglesa dedicada exclusivamente ao transporte de barris de cerveja destinados aos combatentes na Normandia.

11) Um mar de chapéus, Nova Iorque – 1939

Interessante a vista do alto do Empire State Building nesta imagem em preto e branco de 1934: você não vê nenhuma cabeça sem chapéu. Basta pensar nos filmes cult daqueles anos, cheios de gângsters, com cigarro na boca e revólver na cintura. O chapéu era considerado um dos símbolos da moda tanto masculina quanto feminina nos anos trinta.

12) Salvador Dalí passeando com o seu animal de estimação, Barcelona – 1969

Somente o excêntrico e inconfundível artista Salvador Dalí poderia ousar passear pelas ruas de Barcelona com na coleira, não um simples cão, e sim um tamanduá. Imagine o alvoroço das pessoas que cruzavam com eles! Na verdade, se descobriu que o pintor usou o tamanduá somente para virar notícia. Porém, Dalí tinha em casa uma jaguatirica como animal doméstico, que se chamava Babou.

Você gostou da nossa galeria? Comente e compartilhe no Facebook!