Daniella Perez documentarioo
Advertisement

No dia 28 de dezembro de 1992, Guilherme de Pádua assassinou a atriz Daniella Perez. Assim conclui as investigações policiais sobre o caso. Ambos formavam um casal na novela “De corpo e alma” (TV Globo/1992) escrita por Glória Perez, mãe de Daniella. De acordo com provas e declarações, Guilherme decidiu matá-la ao desconfiar que seu personagem na novela perderia importância por causa da influência de Daniella Perez. E hoje o assassinato de Daniella Perez virou documentário.

O assassinato de Daniella Perez vira documentário

Totalmente baseado no assassinato da atriz por Guilherme de Pádua, a HBO Max lançará o documentário “Pacto Brutal” em 21 de julho.
Dessa maneira, as pessoas voltaram a pensar sobre “quem é Guilherme de Pádua”.

Guilherme nasceu em Belo Horizonte. Antes de seu personagem na novela “De Corpo e Alma”, fez uma pequena participação em “Mico Preto” (1990). Então conseguiu o papel do motorista Bira que faria par com Yasmin (Daniella) na nova novela das nove. No folhetim, Bira e Yasmin tiveram um rápido romance quando ela procurava esquecer o namorado Caio (Fábio Assunção). Na novela, as famílias dos personagens de Caio e da dançarina Yasmin eram rivais. Portanto Yasmin tentava refugiar seus sentimentos nos braços de Bira, o motorista de ônibus.

Advertisement

Mas, rapidamente, a dançarina termina com Bira para ficar com Caio.
Inclusive, nos bastidores das gravações, Guilherme se aproximava da atriz para tentar conseguir mais importância para o seu personagem.

O assassinato de Daniella

No decorrer da trama, o personagem Bira vai perdendo espaço. Assim sendo, Guilherme de Pádua e sua esposa, Paula Nogueira Thomaz, planejaram o assassinato da atriz. Isso porque, além de achar que seu personagem estava perdendo relevância por influência de Daniella, Guilherme disse que sua esposa tinha muito ciúmes de seu par romântico, Yasmin.
O auge se deu quando Guilherme soube que não participaria dos próximos roteiros da novela. Muito nervoso, ele e a esposa colocaram em prática o plano de matar a atriz.
Assim sendo, Guilherme esperou Daniela sair do estúdio. Ao parar no posto para pôr gasolina, Daniela foi encurralada e socada por Paula que saiu do posto com a atriz no carro. Guilherme estava atrás com seu veículo. Pouco tempo depois a polícia encontrou o carro com o corpo da atriz, já morta, com 18 facadas.

Foi através do depoimento de um advogado que a polícia esclareceu o caso. Isso porque o homem passou pelo local do crime horas antes do ocorrido. Ao ver os carros abandonados no matagal, o advogado anotou as placas e foi à polícia desconfiado que pudesse ser um assalto. Assim, com o depoimento dado pelo advogado, a polícia chegou até Guilherme de Pádua e sua esposa. O casal foi preso em seu apartamento. Ele tinha 23 anos e a Paula estava grávida de 4 meses do marido. O casal foi condenado por homicídio qualificado com motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima cinco anos depois. Os dois obtiveram de fato a liberdade condicional sete anos depois.

A saber, atualmente Guilherme de Pádua é pastor da Igreja Batista da Lagoinha (BH). Casou-se novamente e costumava postar fotos da família e também de momentos de orações na igreja em seu perfil do Instagram.