maior roubo da Inglaterra
Advertisement

Em 2019 ladrões invadiram uma mansão em uma das ruas mais caras do mundo e esse se tornou o maior roubo da história da Inglaterra. Na ocasião, os gatunos fugiram com aproximadamente R$ 165 milhões entre joias e dinheiro. Após longa investigação, a polícia descobriu se tratar de uma gangue que já havia assaltado outras casas pertencentes a milionários de Londres.

O desenrolar do caso do maior roubo da Inglaterra

Um palpite fez o detetive policial, Thomas Grimshaw, entrar em um hotel barato no sudeste de Londres em janeiro de 2020. O primeiro passo foi perguntar à recepcionista sobre os hóspedes que ficaram no hotel em meados de dezembro. Ela falou sobre um grupo do qual se lembrava muito bem. Isso porque um deles enviou mensagens inapropriadas para uma colega. Inclusive, uma delas era a foto de um pênis. Assim, ela registrou o número de contato do homem como “tarado”. Dessa maneira, através desse número, a polícia identificou o primeiro suspeito do maior roubo doméstico que ocorreu no Reino Unido.

Pouco antes do Natal de 2019, Tamara Ecclestone (filha do ex-chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone), junto com a filha e o marido viajaram para a Lapônia. Antes de embarcar, Tâmara postou uma foto no Instagram.

Advertisement


Em seguida, naquela mesma noite ladrões invadiram sua casa. A mansão fica no Kensington Palace Gardens, no oeste de Londres, considerado um dos locais mais caros do mundo. O prejuízo foi de mais de R$ 165 milhões (25 milhões de Libras) entre joias e dinheiro.
Mesmo tendo sido abordados pelos seguranças da mansão, a gangue conseguiu fugir deixando para trás apenas dois telefones descartáveis e uma chave de fenda. Portanto, os investigadores não tinham muitas pistas para seguir. A investigação foi realizada por detetives de elite da Polícia Metropolitana de Londres.

Polícia investiga as imagens de câmeras


Havia imagens feitas pelas câmeras de segurança que mostravam três homens fugindo e em seguida pegando um táxi. A partir dessas imagens, os detetives começaram a rastrear todos os táxis que passaram próximos ao local naquela noite. Foram 1006 táxis. Então, o próximo passo foi perguntar aos taxistas se lembravam de ter pego três homens que pareciam ser do leste europeu naquele horário e local. Isso levou-os ao motorista Jimmy que se lembrou de ter deixado os passageiros próximos da fronteira entre Londres e o Condado de Kent. Além disso lembrou de uma ponte com arcos. A partir dessas informações, a polícia conseguiu reduzir a busca ao subúrbio de St.MaryCray e fazer uma varredura nas câmeras da região.

O nude que entregou os delinquentes

Uma das imagens mostrava pessoas andando em uma pequena viela. Em uma rua próxima, em frente a uma delegacia, estava o hotel barato, TLK Apartaments, onde o detetive Grimshaw viu as imagens de “nude”: “Quando soube disso, senti que tínhamos identificado o grupo certo“, disse Grimshaw.

Através da cópia do documento de identidade do hóspede, foi identificado o primeiro suspeito: JugoslavJovanovic, um italiano de 23 anos, que chegou na Inglaterra dia 30 de novembro, proveniente de Estocolmo em um voo da Ryanair. As investigações também mostraram que Jovanovic saiu de Londres em um voo em 18 de dezembro.

Identificaram-se outros suspeitos na operação. Entretanto, antes disso, a polícia descobriu que a mesma gangue havia assaltado outras mansões no mesmo período.

Em 1° de Dezembro, roubaram-se mais de 60 mil Libras em joias (R$ 396 mil) da mansão do casal Frank Lampard (técnico de futebol) e sua esposa Christine, enquanto estavam em um evento anual de Natal no Hyde Park. As câmeras mostraram um homem com aparência semelhante a Jovanovic, de acordo com sua documentação.

Ao ampliar a busca, a polícia identificou outro roubo no dia 10 de dezembro. Desta vez na mansão do falecido proprietário do time Leicester City FC, Srivaddhanaprabha. De lá eles levaram mais de 1 milhão de libras entre joias e dinheiro. Novamente as câmeras mostraram o rosto de Jovanovic.

A identificação dos assaltantes do maior roubo



A saber, no decorrer da investigação identificaram-se quatro assaltantes e outros quatro homens que serviam de apoio aos assaltantes.

Jovanovic chegou ao Reino Unido junto com Daniel Vukovic (39), croata. Os dois foram para o hotel em St.MaryCray. Ambos deixaram o país em 18 de dezembro – Jovanovic foi para Milão e Vukovic para Belgrado com uma mulher chamada Maria Mester.
Por conseguinte adicionaram-se outros elementos à lista de suspeitos: o filho de Mester, Emil BogdanSavastru; Alexandru Stan e SorinMarcovic.
Aliás, identificaram-se outros dois italianos como suspeitos: Alessandro Donati e Alessandro Maltese. Ambos chegaram juntos em Londres em 9 de dezembro e saíram em 16 de dezembro.

O primeiro a ser preso foi Savastru. Assim que soube de sua prisão, Mester voltou para Londres e também a prenderam. Ambos foram condenados por outros delitos, contudo, em julgamento quanto ao caso do roubo das mansões, provaram que envolveram-se sem saber.

De maneira idêntica, Marcovic, amigo de infância de Mester, também alegou que envolveu-se no esquema sem saber do que se tratava.

Donati e Maltese foram e extraditados em 2020. Jovanovic acabou sendo deportado para o Reino Unido em 2021. Esses três se declararam culpados de conspirar para roubar e foram presos de fato em novembro de 2021.

O único suspeito que ainda está foragido é Daniel Vukovic, 39 anos. A polícia acredita que ele é o mentor de todo o esquema dos roubos. Portador de diversas identidades e procurado pela polícia italiana. A imprensa italiana o apelidou de “O Lupin da vida real”. Isso porque o homem é muito misterioso. Por fim, existe a hipótese de, atualmente, ele estar morando na Sérvia.