Silvio Santos entrevista
Advertisement

Após oito meses de afastamento, Silvio volta a gravar no SBT nesta terça-feira (26). Em entrevista ao repórter Roger Turchetti, Silvio Santos falou sobre demissões e disse ter novidades para os próximos dias e admitiu que haverá alterações no horário vespertino. “…A partir do dia 16 vai ter mudanças, mas não sei quais serão. 16 de maio, daí pra frente vai ter mudança”, disse Silvio Santos sem muitos detalhes.

É sua filha Patrícia Abravanel que apresenta o programa de auditório do domingo, desde setembro do ano passado. Além disso, circularam informações de que os dois apresentariam o programa juntos. O apresentador disse que vai voltar a apresentar o seu programa sozinho: “Hoje é o Silvio Santos no palco. Quando eu não posso vir, a Patrícia vem. Até quando der, quando não der mais ela fica. Ainda bem que ela conduz bem o programa, sorte a minha”, declarou.

Outro ponto levantado por Silvio Santos foi sobre o programa ‘Fofocalizando’. Segundo ele, os diretores aumentaram o tempo de apresentação da atração: “O Fofocalizando sempre foi uma hora, eles estenderam e eu não percebi. Mas não vale a pena fazer mais de uma hora”, diz o apresentador ao retornar ao Brasil. O ‘Fofocalizando’ é um programa de debates de notícias de famosos.

Advertisement

Silvio Santos fala sobre as demissões

Na mesma entrevista, Roger Turchetti também perguntou ao dono do SBT sobre a situação de alguns colaboradores.

Foi o caso do ator Carlinhos de Aguiar, demitido em um dos cortes de gastos do SBT: “O Carlinhos eu não sei porque ele foi [demitido] porque o Carlinhos tinha um ordenado até modesto”, disse Silvio. O jornalista disse que o comediante quer voltar para o canal e obteve a seguinte resposta: “Manda o Carlinhos procurar quem tem que procurar que eu vou avisar que pode contratar”.

Turquetti também perguntou sobre a demissão da apresentadora Lívia Andrade que em 2020 integrou o quadro ‘Jogo dos pontinhos’: “A Lívia Andrade foi demitida porque ganhava muito mais do que podíamos pagar. Ela saiu porque o ordenado era alto e ao invés de mandar embora quem precisa do emprego tem que mandar embora aqueles que não precisam”, explicou Silvio Santos sobre as demissões feitas.