síndrome do pânico Wanessa
Advertisement

Nesta segunda-feira (2), a cantora e apresentadora Wanessa Camargo, 39 anos, noticiou a sua separação do marido. Wanessa e o empresário Marcus Buaiz casaram há 17 anos. A declaração trouxe de volta o fato de que ela sofre de Síndrome do Pânico. Em 2021, ela falou sobre o assunto: “No primeiro momento em que tive crise de pânico, com 21 anos, foi muito difícil, porque meus pais viram eu me transformar num bicho do mato assustado e não entendiam de onde vinha aquilo. Quando me colocaram numa terapeuta, isso me ajudou a explicar”, disse na ocasião. Além disso, Wanessa também contou que foi diagnosticada com TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo). Ainda mais, através da terapia, soube que a sua mãe também teve crises de pânico. A cantora teve sua condição agravada durante a pandemia.

O que é a Síndrome do Pânico?

Trata-se de um transtorno psicológico caracterizado pela ocorrência de insesperados ataques de pânico e por uma expectativa ansiosa de ter novos ataques ou crises. De acordo com o Dr. Elton Kanomata, do hospital Albert Einstein (SP), os ataques são repentinos e podem ter vários sintomas: suor, tremores, sensação de desmaio, formigamentos, medo de morrer, palpitação, calafrios misturados com sensação de calor, medo de perder o controle, falta de ar, são alguns dos sintomas deste tipo de transtorno.

Advertisement

Como tratar a Síndrome do Pânico

O tratamento consiste no uso de medicamentos e também de psicoterapia. Isso foi o que fez a cantora Wanessa Camargo. Além disso, os médicos recomendam algumas mudanças na maneira de viver. Ou seja, incluir na rotina bons hábitos alimentares, ótimas noites de sono e exercícios físicos. Bem cuidada e direcionada, as crises vão espaçando no tempo e até mesmo podem desaparecer.

Crises de ansiedade

Qualquer pessoa está sujeita a um eventual ataque de pânico ou ansiedade quando exposto a um estresse muito alto, emoções intensas ou a situações de vulnerabilidade e desamparo. Por exemplo, situações violentas e traumáticas  (assalto, sequestro, luto) podem ser  desencadeadoras de crises de ansiedade. Por outro lado, isso não quer dizer que vá desenvolver as crises repetidas que caracterizam a Síndrome do Pânico.